18 setembro 2008

Prós e contras de 6 Distruições LINUX

linux Dez meses atrás foi escrito um artigo citando os prós e contras de seis distribuições Linux: Ubuntu, Kubuntu, Kurumin, Mandriva, Debian e openSUSE. Este artigo pode ser baixado em PDF aqui.

De lá para cá, muita coisa mudou. As distribuições Linux tiveram boas melhorias e algumas até “acabaram”, como o Kurumin, que deu espaço para o Kurumin NG, resultado da união entre os brasileiros Kurumin e Kalango. Esta atualização de texto serve justamente para atualizar as informações anteriores (óóó!) e corrigir alguns “probleminhas” que existiam antes.

Cada distribuição tem sua própria característica. Enquanto o Ubuntu tenta ser prático e fácil, o Slackware prefere não mudar o seu jeitão de “difícil” e sem ferramentas gráficas de configuração. Usuários do Slack preferem ter controle total sobre o sistema (ou se acharem superiores aos que usam distribuições consideradas mais fáceis, como muito se vê por aí).

As opiniões do texto são pessoais e escritas por um usuário Linux com três anos de experiência que utiliza o Mandriva como distribuição padrão.

Ubuntu

www.ubuntu.com

O Ubuntu é, reconhecidamente, uma distribuição que preza pela praticidade, além de ser a preferida dos usuários que estão começando com o Linux. Por quê? Tem uma comunidade super ativa, tornando a resolução de problemas muito melhor e rápida, documentação bastante completa, inclusive dicas de todos os tipos escritas por vários usuários ao redor do mundo. Isso tudo sem contar que, se você não tem uma conexão boa, pode requisitar um CD pelos correios, de maneira totalmente gratuita. Os dois principais problemas: extras e desempenho. O Ubuntu realmente não traz muita coisa inovadora. A comunidade programou algumas GUIs que facilitam (e muito) a vida do usuário iniciante e… Só. Configurações um pouco mais avançadas ainda devem ser feitas pelo terminal, já que é característica do GNOME exibir apenas informações mais simples e “esconder” o resto. No entanto, para gerar toda essa facilidade, é necessário sacrificar o desempenho, compilando muitos drivers com o kernel e carregando serviços desnecessários. As últimas versões têm aumentado bastante os requisitos mínimos e já pedem no mínimo 384 MB de memória para que o LiveCD seja executado.

  • Recomendação: Usuários iniciantes
  • Ponto forte: Praticidade
  • Ponto fraco: Desempenho
  • Documentação: 5/5
  • Estabilidade: 4/5
  • Desempenho: 3.5/5
  • Praticidade: 5/5
  • Extras: 3/5
  • Comunidade: 5/5
  • Sistema de pacotes: DEB (apt-get)
  • Ambiente gráfico principal: GNOME
  • Lançamento: Outubro de 2004
  • Predecessor: Debian
  • Origem: Ilha de Man
  • Forma de distribuição: LiveCD
  • Arquitetura: i386 (32 bits) e amd64 (64 bits)

Fedora

www.fedoraproject.org
Uma distribuição que serve perfeitamente os usuários iniciantes e intermediários é o Fedora, baseado e patrocinado pelo grande e conhecido Red Hat, hoje mais voltada à ambientes corporativos e servidores (aliás, o servidor do Guia do PC é powered by Red Hat Linux Enterprise). A distribuição possui o instalador Anaconda, um dos mais fáceis e práticos atualmente e o SELinux, software inicialmente desenvolvido pela NSA que traz políticas mais avançadas de segurança, útil principalmente em servidores web. Para se manter atualizado, é necessário vontade: atualizações geralmente são feitas a cada cinco meses, e você não tem todo o tempo do mundo para continuar utilizando uma versão antiga, como as versões LTS do Ubuntu, por exemplo. A distribuição sempre traz boas melhoras e as últimas atualizações de softwares, além de ser bem trabalhada graficamente.

  • Recomendação: Usuários intermediários
  • Ponto forte: Praticidade
  • Ponto fraco: Comunidade
  • Documentação: 4/5
  • Estabilidade: 4/5
  • Desempenho: 4/5
  • Praticidade: 4.5/5
  • Extras: 4/5
  • Comunidade: 3.5/5
  • Sistema de pacotes: RPM (Yum)
  • Ambiente gráfico principal: GNOME
  • Lançamento: Novembro de 2003
  • Predecessor: Red Hat
  • Origem: Estados Unidos
  • Forma de distribuição: LiveCD GNOME / LiveCD KDE / DVD ou CD de instalação
  • Arquitetura: i386 e x86_64 (64 bits)

Mandriva

www.mandriva.com
O Mandriva é o resultado da união entre a distribuição brasileira Conectiva e o francês Mandrake, um dos primeiros a focarem nos usuários iniciantes, com ferramentas gráficas, inclusive de instalação, bastante completas, amenizando o fato de que, na época antes do Mandrake, dominar o shell era imprescindível para utilizar o Linux no dia-a-dia. O Mandriva é a distribuição que mais recomendo para quem está começando, por vários motivos: não traz muitas firulas desnecessárias (na versão 2009.0, inclusive, trará uma remoção de pacotes que não serão utilizados, como drivers de vídeo de outra marca que não a sua, por exemplo), e traz uma comunidade nacional não tão ativa quanto à comunidade do Ubuntu, mas que merece respeito. A documentação é básica, trazendo um guia e uma wiki, mas peca por não ter muitos usuários e, portanto, não ter dicas e artigos como do Ubuntu. No Centro de Controle Mandriva, dá para fazer de tudo: importar fontes do Windows com um só clique, transferir arquivos e configurações do sistema da Microsoft, instalar e remover pacotes, configurar o servidor gráfico (adeus xorg.conf), os efeitos 3D, como os do Compiz Fusion ou do Metisse, enfim. É uma ferramenta “tudo em um”. O problema é que a estabilidade não é das melhores: a versão 2008.0 vinha um Flash Player instável que crasheava em sites como o YouTube.

  • Recomendação: Usuários intermediários
  • Ponto forte: Extras
  • Ponto fraco: Estabilidade
  • Documentação: 4.5/5
  • Estabilidade: 3.5/5
  • Desempenho: 4/5
  • Praticidade: 5/5
  • Extras: 4.5/5
  • Comunidade: 4/5
  • Sistema de pacotes: RPM (urpmi)
  • Ambiente gráfico principal: KDE
  • Lançamento: Julho de 1998 (Mandrake) e Outubro de 1997 (Conectiva)
  • Predecessor: Mandrake e Conectiva
  • Origem: França e Brasil
  • Forma de distribuição: LiveCD One / DVD Free / DVD PowerPack (pago)
  • Arquitetura: i586 (32 bits)

openSUSE

www.opensuse.org
Uma das distribuições com mais recursos inovadores: openSUSE. Traz o YaST, painel de controle super completo (mesmo) que recentemente foi aberto à comunidade, mas voltado para usuários mais avançados que os do Mandriva, e o Delta RPM, até agora exclusividade da distribuição, que é uma mão na roda para os usuários com conexão lenta ou dotados de impaciência excessiva. O Delta RPM baixa apenas uma parte do pacote de correção de segurança, o que significa que você raramente fará download de duzentos megabytes de arquivos para atualizar o erro de tradução da palavra “Editar” no editor de desenhos do OpenOffice.org. Na versão 10.2, o YaST era lento e instável em computadores com pouca memória e na versão 10.0, a distribuição foi obrigada a ter um Service Pack, para corrigir os bugs do sistema. Seu principal problema é o peso: ele ainda é feito para computadores mais modernos, apesar do grande esforço da equipe.

  • Recomendação: Usuários intermediários
  • Ponto forte: Extras
  • Ponto fraco: Desempenho
  • Documentação: 4.5/5
  • Estabilidade: 3.5/5
  • Desempenho: 3/5
  • Praticidade: 5/5
  • Extras: 5/5
  • Comunidade: 3.5/5
  • Sistema de pacotes: RPM (YaST)
  • Ambiente gráfico principal: KDE
  • Lançamento: Março de 1994
  • Predecessor: Segundo usuários, Slackware
  • Origem: Alemanha
  • Forma de distribuição: LiveCD GNOME / LiveCD KDE / DVD de instalação
  • Arquitetura: i386 (32 bits), x86_64 (64 bits) e ppc (IBM PowerPC e Apple)

Gentoo

www.gentoo.org
A principal diferença do Gentoo em relação às outras distribuições é o fato dele usar a ferramenta Portage para gerenciamento de pacotes, que permite que o usuário tenha um sistema totalmente adaptado ao seu hardware, já que ele pode compilar cada pacote durante a instalação, de forma automatizada, otimizada e, claro, sem aqueles problemas chatos de dependências: o Portage as resolve para você. Pelo fato de ser uma distribuição altamente compilada, torna-se, na teoria, muito mais rápida que as outras, trazendo para o usuário um baixo consumo de processamento e memória. No entanto, isso tem um preço: tempo e paciência. Uma instalação totalmente otimizada geralmente não leva menos que oito horas (principal motivo que afugenta novos usuários), e a instalação de novos pacotes também é lenta. Se você não se importa com isso e prefere resultados a “longo prazo”, pode ser ótima. Seu principal problema é a comunidade nacional: ela é praticamente inexistente, e se resume basicamente a um site desatualizado e um subfórum inativo no fórum oficial do Gentoo. Apesar disso, a documentação (em inglês) é relativamente boa e pode ser lida no site oficial.

  • Recomendação: Usuários avançados
  • Ponto forte: Desempenho
  • Ponto fraco: Comunidade
  • Documentação: 4/5
  • Estabilidade: 4/5
  • Desempenho: 5/5
  • Praticidade: 3.5/5
  • Extras: 4/5
  • Comunidade: 1.5/5
  • Sistema de pacotes: SRC (Portage)
  • Ambiente gráfico principal: Xfce
  • Lançamento: Março de 2002
  • Predecessor: Não tem
  • Origem: Estados Unidos
  • Forma de distribuição: CD de pacotes / CD mínimo / LiveCD Xfce
  • Arquitetura: alpha, amd64, hppa, ia64, ppc, ppc64, sparc64 e x86

Debian

www.debian.org
Perfeito para quem precisa de estabilidade em operações críticas, o Debian é uma distribuição que foca na estabilidade do sistema. É muito raro o Debian Stable ter algum bug ou falha grotesca, já que os pacotes são exaustivamente testados, e é por essa razão que ver coisas como Firefox 2.0.0.3 ou KDE 3.5.5 é comum (se você precisar de pacotes mais atualizados tente o Debian Testing ou Unstable). Além disso, o Debian é considerado uma das distribuições mais puras da atualidade, já que só e somente a comunidade mantém o sistema, não dependendo de empresas. A distribuição pode ser instalada em computadores com configurações fracas de hardware e das mais diversas arquiteturas, indo do i386 de 32 bits até o Sparc e o PowerPC. Uma característica da distribuição é que o usuário precisa configurar quase tudo pela linha de comando, não existem muitas ferramentas gráficas. Existem as do ambiente gráfico, e só. Hoje, o Debian é a distribuição-base para as centenas de outras que tem como objetivo encher o ranking do DistroWatch.

  • Recomendação: Usuários avançados e servidores web
  • Ponto forte: Estabilidade
  • Ponto fraco: Extras
  • Documentação: 5/5
  • Estabilidade: 5/5
  • Desempenho: 5/5
  • Praticidade: 3.5/5
  • Extras: 2.5/5
  • Comunidade: 4/5
  • Sistema de pacotes: DEB (apt-get)
  • Ambiente gráfico principal: GNOME
  • Lançamento: Agosto de 1993
  • Predecessor: Não tem
  • Origem: Estados Unidos
  • Forma de distribuição: 21 CDs de instalação / 3 DVDs de instalação
  • Arquitetura: alpha, amd64, arm, hppa, i386, ia64, mips, mipsel, powerpc, sparc, s390, source, multi-arch

Concluindo, este texto teve como objetivo citar as diferenças entre as principais distribuições Linux do mundo e, talvez, ajudar o usuário iniciante a escolher sua primeira distribuição.

fonte: Paulo Seikishi Higa (Revista Guiapc) - http://www.guiapc.com.br

Postar um comentário